ISBN:
978-989-510683-7
Publisher:
Chiado Editora
Year:
Novembro 2013
Pages:
508
Inside this book
Praise
  • UM LIVRO PARA LER!
    Acabei ontem à noite a leitura deste extraordinário livro. Que pena chegar ao fim!
    Este livro, do género fantástico, mostra-nos a mestria de Vera de Vilhena ao escrever, não só na forma, como no conteúdo, e na vastidão de interpretações que pode suscitar. Que grande livro!
    Não quero contar o enredo, para que a leitura não perca a sua magia, mas posso dizer-vos as perguntas que em mim suscitou:
    – É preferível saber toda a verdade, ou podemos viver melhor com alguma dose de esquecimento?
    – Esta vida que levamos, feita de pressas, corridas de vária ordem, de angústias e contas (do que recebemos, do que damos, do que poderíamos ter, do que outros têm), faz sentido assim, ou poderíamos trocar tudo isto por um tempo mais tranquilo que nos permitisse apreciar cada dia como o único?
    – Quais os limites entre protecção e manipulação? Queremos ser protegidos, ou não? E abdicamos de quê?
    – A simplicidade pode, ou não, estar aliada à felicidade real?
    E poderia continuar…
    Acredito que um livro que nos provoca, que nos deixa ora a favor, ora contra, que nos obriga a pensar se, na mesma situação, faríamos o mesmo, cumpre na íntegra o papel da arte: provocar, suscitar dúvidas, fazer crescer, ganhar consciência do nosso mundo e do mundo dos outros.
    Parabéns à Vera de Vilhena – espero que o próximo não demore muito a aparecer!
    Deixo-vos a sinopse, já que é pública… E mais não digo. Leiam!
    (in blogue de Margarida Fonseca Santos, http://margaridafonsecasantos.blogspot.pt/2015/05/um-livro-para-ler.html)
    Margarida Fonseca Santos
  • Querida Vera

    Tomei conhecimento deste livro através da RTP, o nome 'rang a bell to me' , fui aos livreiros online e encomendei.Ainda bem que o fiz, superou todas as minhas espetativas. Pois bem, a Ilha de Melquisedech, dá-me a noção da Ordem (felicidade e paz), que nós humanos tanto procuramos e nunca alcançamos. Mas acontecimentos diversos, puseram os felizes habitantes da Ilha com dúvidas....o que existiria para além da Ilha??? O druida Melquisedech, propõe aos habitantes uma ida para além da mesma,uma viagem ao 'outro mundo'. Por artes de magia os habitantes estão de volta ao local onde o druida os retirou, no nosso mundo, na nossa realidade, na minha opinião, no...Caos. São estes dois aspetos que fazem deste livro uma obra de excelência,de um lado a Ordem ( a ilha de melquisedech) do outro, o Caos (o nosso mundo, a nossa realidade) pois de todos os escritores de fantasia e ficção, nunca li nada parecido. Vera de Vilhena está ao nível dos melhores escritores internacionais desta categoria, eu diria ainda, um pouco acima, uma vez que a qualidade de escrita é superior a Hobb, Feist, Canavan. Talvez uma Juliet Marillier portuguesa. Cá fico à espera (ansiosamente) da 2º e 3º partes. Obrigada Vera, por estes momentos de leitura de excelente qualidade.
    Elsa Esteves
  • Vera de Vilhena



    Claro que tudo o que tenha a ver com a escrita de Vera de Vilhena e, em partícula, o livro «A Ilha de Melquisedech» não me poderá jamais passar despercebido...Esta Ilha merece ocupar um lugar de destaque pela magia da sua narrativa...pela maneira singela...absorvente...mágica como a Vera nos conta esta história...com tantas histórias...é de uma riqueza invulgar dentro do género...li o livro quase sem parar...e imaginei-o logo uma adaptação ao cinema...se fosse uma escritora 'estrangeira'...o seu sucesso era mais do que evidente...Fiquei apaixonada por esta Ilha e pelas suas personagens...e parafraseando a Vera...é uma narrativa fantasiada...com um pé na realidade...e acrescentarei mesmo...um pé bem grande...daí, apetecer-me regressar à Ilha...onde apetece mesmo viver...Obrigada Vera por me teres dado a conhecer este livro fantástico...esta Ilha...Dila Sá

    Dila Sá
  • Vera de Vilhena (Lisboa, 1969), cantora profissional desde 1989, estreou-se como compositora no álbum Luar, de Rita Guerra, e na ficção e poesia, na revista Egoísta. Em 2006 trocou a cidade pelo campo e pelo mar e mudou-se para perto da Ericeira. Desde 2009 que é também revisora de texto e coordenadora de oficinas de escrita criativa. Obras publicadas: O Pisa-papéis (pseud. Vera Vê), novela (DG edições, 2006 (esgotado), A Ilha de Melquisedech - Mnemon, (Chiado Editora, Dez 2013); Coisandês, a vida nas coisas, contos vocacionado para adolescentes (Prémio Revelação APE/Babel, 2014, Verbo/Babel; Fora do mundo (poesia, Poética edições, 2014); "Nem sempre os pinheiros são verdes" (contos, vários autores, 2016, Poética Edições"). Mantém o blogue veravilhena.blogspot.pt/, o site veravilh.wix.com/gavetas-e-gavetinhas e a página oficial no facebook: Ilha de Melquisedech.